Efeito analgésico da acupuntura

22 de junho de 2010

Imagine só: Já faz 4 mil anos que a acupuntura existe, mas ninguém até hoje conseguiu explicar cientificamente como é que enfiar agulhas no corpo pode aliviar a dor.

Que funciona, funciona. Não há dúvida. Os efeitos são comprovados clinicamente e referendados até mesmo pela Organização Mundial de Saúde. Como funciona, porém, ainda é um mistério para a medicina.

Não satisfeitos com a explicação mais “mística” de que as agulhas corrigem desvios no fluxo de energia dos chamados “meridianos” do organismo, investigadores científicos começam a desvendar esse mistério, molécula por molécula.

A pista mais recente foi publicada na última edição da revista Nature Neuroscience. Nela, pesquisadores do University of Rochester Medical Center, nos EUA, identificam a adenosina como uma molécula chave para o efeito analgésico da acupuntura.

A adenosina é um neurotransmissor que, entre outras coisas, modula a percepção de dor nos nervos periféricos. Os cientistas fizeram vários experimentos com camundongos e mostraram que os níveis de adenosina nos tecidos adjacentes ao ponto de inserção das agulhas aumentavam consideravelmente durante e logo após o tratamento.

Em camundongos geneticamente modificados para serem imunes ao efeito da adenosina, a acupuntura não surtiu efeito. Por outro lado, quando a adenosina era aplicada diretamente sobre um tecido inflamado, a dor diminuía mesmo sem a aplicação das agulhas.

Ou seja: o estímulo físico das agulhas desencadeia um efeito bioquímico no sistema nervoso, que funciona como um analgésico. É mais uma peça importante no quebra-cabeça científico da acupuntura, que ainda está longe de ser completado.

Sem entrar em controvérsias, os pesquisadores, na verdade, nem mencionam a questão dos meridianos no trabalho. Mas a Nature, no material divulgado à imprensa sobre o estudo, fez questão de notar que os resultados da pesquisa “não endossam, de maneira alguma, a ideia ancestral mística de que as agulhas funcionam pela correção de fluxos de energia por meridianos”.

Curioso como sempre, mandei o estudo para o professor Luiz Mello, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), que estuda esse assunto, para saber a opinião dele. E ele me respondeu o seguinte:

“A mensagem de que devemos descartar meridianos e concepções filosóficas reflete uma visão estreita. O arcabouço conceitual filosófico existente não necessariamente tem que remeter a esoterismos sem base, mas pode servir de metáfora construtiva. Nenhum modelo reflete a realidade. Todos os modelos devem servir para criar novas perspectivas, devem abrir nossa visão do mundo. Os modelos históricos de acupuntura certamente têm esse valor.

Não tenho dúvida de que a lógica subjacente ao conceito de meridiano permitirá a caracterização de novas descobertas. Os achados descritos pelo artigo sugerem impactos e mecanismos locais. Não abordam aspectos remotos, sistemas neuronais a distância que certamente participam dos efeitos. Não abordam os demais sistemas e possíveis impactos que transcendem a dimensão analgésica.

De qualquer forma, acho que é um trabalho relevante e interessante. Sólido e confiável.”

É isso. O mistério continua! – Referência: O Jornal O Estado de S.Paulo/foto – Por: Herton Escobar

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *